11 de janeiro de 2016

Viajar envolve planejamento, ainda mais para quem tem animal de estimação e, nem sempre, pode levá-lo junto. O crescimento do mercado pet no Brasil fez surgir uma variedade de oferta de hospedagem para animais de companhia. É preciso escolher bem onde deixar seu companheiro para evitar dor de cabeça.

Depois de passar por experiências nada boas quando tinha um cachorro, a advogada Laís de Souza Serique aprendeu a ser mais exigente na hora de escolher os serviços de hospedagem. Hoje ela é dona do Alfredo e da Samanta, dois gatos com pouco mais um ano de idade.

“Sempre levo em conta a indicação de algum conhecido, visito o local, vejo a rotina, como eles tratam os animais, qual o tipo de atenção que dão, se os gatos terão brinquedos e arranhadores à disposição, por exemplo”, conta Laís.

Fazer uma visita prévia para que se conheça a estrutura, além de conversar com outras pessoas que já tenham utilizado o serviço oferecido é mesmo uma das principais recomendações.

Também é importante verificar se o estabelecimento está registrado no Conselho Regional de Medicina Veterinária da localidade, o que é obrigatório. O local deve possuir um médico veterinário como responsável técnico.

De acordo com secretário-geral do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), Marcello Roza, é preciso verificar o estado de saúde do animal, se ele tem alguma necessidade de cuidado especial por conta de doenças, idade e uso de medicamento contínuo, por exemplo.

“O temperamento do animal, se ele é dócil com pessoas e outros animais, também influencia na hora de escolher um local pois muitos hotéis tem hospedagens coletivas”, alerta Marcello Roza.

A não adaptação aos outros hóspedes foi o que incomodou a cadela Lia, uma Golden Retrivier de seis anos de idade.

“Quando precisei deixar a Lia novamente no local ela ficou desesperada e não queria entrar. Como viajo muito a trabalho preciso usar os serviços de hospedagem para animais então tive que escolher outras opções”, conta a médica Letícia Vervloet.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul (CRMV-RS) elaborou uma nota técnica sobre os serviços de hospedagem de animais. No documento, recomenda-se que os proprietários dos animais busquem locais que ofereçam condições plenas de bem-estar aos hóspedes, informem-se sobre o controle sanitário e ambiental dos animais hospedados e das instalações, verifiquem como é feito o controle de zoonoses e de doenças que o animal hospedado pode contrair ou disseminar pelo contato com o ambiente ou com os demais animais e procurem locais que ofereçam proteção contra fuga e lesões aos animais.

Na hora do check-in, os locais devem exigir o comprovante de vacinação em dia e a aplicação de antipulga.

“Acho que agora fiz a escolha certa pois a Lia tem várias atividades como  natação e futebol. Quando chego para buscar, ela vai me receber, mas depois volta para continuar a brincadeira com os outros cachorros”, conta Letícia Vervloet.

E se o animal for junto na viagem?

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em viagens dentro do país é necessário apenas o atestado de saúde assinado por médico veterinário, que deve atentar para a assiduidade da vacinação antirrábica.

Se a viagem for feita de avião, é preciso providenciar a documentação necessária e contatar a companhia aérea para saber as exigências. “Recomenda-se chegar ao aeroporto com antecedência e jamais dar qualquer tipo de medicação sem a orientação do médico veterinário”, afirma o secretário-geral do CFMV, Marcello Roza.

Nas viagens de carro, lembre-se de programar paradas para que o animal possa beber água e se alimentar adequadamente, além de urinar e defecar. “Jamais viajar com o animal solto no carro. A caixa de transporte também deve ficar presa ao cinto de segurança, evitando, assim, que se desloque durante eventuais frenagens”, ressalta.

No site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) você encontra mais informações sobre o transporte de animais de companhia, inclusive em viagens internacionais.

Saiba mais: http://www.agricultura.gov.br/animal/animais-de-companhia

Assessoria de Comunicação do CFMV