Diante da veiculação de notícias sobre a vacinação de profissionais da saúde que não estão na linha de frente contra o coronavírus (SARS-CoV-2), os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária (Sistema CFMV/CRMVs) prestam orientações e reiteram seu apoio ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 .

Para manter a força de trabalho dos serviços de saúde e a capacidade de atendimento à população, o Ministério da Saúde (MS) recomenda que, dentre os trabalhadores da saúde, os primeiros a receber a vacina sejam os profissionais da saúde da linha de frente, ou seja, os que trabalham em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), prontos-socorros, ambulâncias, hospitais referenciados para a covid-19, bem como equipes de vacinação que irão imunizar a população e os trabalhadores de instituições de acolhimento de idosos e jovens e adultos com deficiência.

O Sistema CFMV/CRMVs tem a missão de promover o bem-estar da sociedade disciplinando o exercício das profissões de médico-veterinário e zootecnista. Os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária se colocam à disposição do ministério e das secretarias estaduais e municipais de saúde para colaborar no processo de imunização, bem como no apoio à divulgação das informações e orientações aos profissionais.

Médicos-veterinários

Médicos-veterinários e seus respectivos técnicos e auxiliares estão inseridos entre os trabalhadores de saúde destacados no PNI. Devem ser vacinados aqueles que atuam em diversas frentes e estão inseridos nas clínicas, hospitais, defesa sanitária, desempenhando atividades como a gestão até a vigilância de zoonoses, vigilância ambiental em saúde, epidemiológica e sanitária, o que os torna mais suscetíveis à doença.

Informe Técnico do Ministério da Saúde, enviado aos secretários estaduais de saúde e ao CFMV, em janeiro, aborda o escalonamento dos grupos prioritários para vacinação, conforme a disponibilidade das doses de vacina, sendo facultado a estados e municípios a possibilidade de adequar a priorização de acordo com a realidade local.

O MS recomenda que seja solicitado documento que comprove a vinculação ativa do trabalhador com o serviço de saúde, no ato da vacinação, ou a apresentação de declaração emitida pelo serviço de saúde.

Confira a nota completa publicada pelo CFMV no início de fevereiro

Assessoria de Comunicação do CFMV