O Projeto Estratégias de Ensino-aprendizagem do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) tem como principal objetivo trabalhar as competências humanísticas nos futuros médicos veterinários.

Mas o que são as competências humanísticas? Essa denominação foi introduzida para diferenciar as competências técnicas, que são próprias da atuação do médico veterinário como profissional especializado, das competências complementares, relacionadas à capacidade do profissional de se inserir socialmente nas situações ligadas à sua atuação.

As competências foram elencadas pelo art. 4º da Resolução CNE/CES nº 1/2003, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) dos cursos de Medicina Veterinária e que tornam possível formar um profissional adaptável, segundo a legislação.  São elas: Atenção à saúde, Tomada de decisões, Comunicação, Liderança, Administração e Gerenciamento e Educação permanente.

A ideia é que sejam competências ligadas à capacidade de lidar com diferentes variáveis relacionadas às questões de relacionamento, de compreensão da realidade em um contexto mais amplo, de comunicação, de liderança, de organização e de gestão, incluindo a gestão de si mesmo.

O presidente da Comissão Nacional de Educação da Medicina Veterinária (CNEMV), Antônio Felipe Wouk, lembra de que de forma geral os cursos de Medicina Veterinária do país não dão margem ao desenvolvimento de atributos relacionados aos aspectos humanos, sociais, políticos ou éticos necessários ao bom desenvolvimento das DCNs.

“O médico veterinário pertence à sociedade e como tal deve desenvolver predicados necessários ao convívio. O desenvolvimento de competências humanísticas gera uma postura profissional mais humanista ou menos dicotômica entre tecnologia e sociedade”, acredita.

Conheça as Competências Humanísticas

Atenção à Saúde

A competência estabelece que os profissionais de saúde, dentro de seu âmbito profissional, devem estar aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo.

Para o integrante da CNEMV, Rafael Modadori, o profissional deve ser capaz de acompanhar os resultados e ações de outros profissionais em um projeto multidisciplinar e pensar suas ações em um contexto mais amplo, analisando as consequências de sua decisão em relação a outras áreas.

“Ao se tomar decisões, deve ser considerado seu impacto na Saúde Única. Por exemplo, qual será o impacto ambiental e na saúde humana vindos do descarte de resíduos de banho e tosa? Qual o impacto da abertura de novas áreas para produção de alimentos?”, questiona.

Tomada de decisões

É a capacidade de identificar e escolher, entre as diferentes alternativas, qual a melhor opção para implementar uma ação ou resolver uma situação.

O trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, a eficácia e o custo-efetividade de medicamentos, equipamentos, procedimentos e práticas. Para tanto, os profissionais devem ter habilidades para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas.

Para Mondadori, ao ser demandado a resolver uma situação, o profissional deve ter sempre a visão do processo como um todo. “Tanto em corporações, como em órgãos governamentais, as ações de saúde devem ser sempre estudadas observando sua efetividade e todos os aspectos descritos nas DCNs”, explica.

Comunicação

Cada vez mais, em diferentes ambientes, a necessidade de comunicação de diferentes formas é necessária. Os profissionais de saúde devem ser acessíveis e manter a confidencialidade das informações a eles confiadas, tanto na interação com outros profissionais de saúde como com o público em geral. A comunicação envolve a verbal, não verbal e as habilidades de escrita e leitura.

Para Mondadori, muitos dos problemas observados hoje, nas diferentes esferas, envolvem falta de comunicação. “A linguagem deve ser apropriada a situação, por exemplo, ao trabalhar com a comunicação de um caso de raiva em herbívoro, a linguagem utilizada para comunicar o órgão oficial para notificação obrigatória ou com os demais profissionais de saúde deve ser bem diferente da utilizada ao conversar com os peões da fazenda”, esclarece.

Na comunicação, portanto, o médico veterinário deve ser objetivo e saber identificar argumentos favoráveis ao seu propósito. Também deve apresentar materiais de apoio com qualidade e criatividade, saber falar de forma clara e segura, planejar suas apresentações e usar a linguagem mais adequada.

Liderança

No trabalho em equipe multiprofissional, os profissionais de saúde deverão estar aptos a assumir posições de liderança, sempre tendo em vista o bem-estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz.

O médico veterinário deve acompanhar, de forma sistemática, o desempenho de cada integrante de sua equipe, administrar conflitos nos grupos, estimular a cooperação, escutar as pessoas com atenção e valorizar a manifestação de opiniões.

“No atual mundo do trabalho, na esfera pública e privada, as equipes são cada vez mais importantes para o bom andamento das diferentes atividades. Para que as equipes cumpram a sua função, ou seja, para que cada membro possa colocar todo seu potencial a serviço, a liderança é imprescindível. Nenhuma equipe é melhor que seu líder”, ressalta Mondadori.

Administração e gerenciamento

Os profissionais devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração da informação, além de trabalharem suas habilidades como empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças nas equipes de saúde.

Para tanto, o médico veterinário precisa saber planejar e organizar o trabalho de acordo com os perfis e recursos disponíveis, saber se relacionar com diferentes perfis de pessoas, administrar seu tempo visando o alcance dos resultados desejados, além de priorizar e selecionar informações.

Para Mondadori, no mundo moderno, empreender é uma opção promissora, porém cada vez mais desafiadora. “Muitas vezes o sucesso está mais atrelado a uma competente administração e gerenciamento do que à capacidade técnica do profissional propriamente dita”, acredita.

Educação permanente

Em uma era onde as informações são geradas em grande velocidade e volume, os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na formação, quanto na prática. Desta forma, os profissionais de saúde devem ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e o treinamento das futuras gerações de profissionais.

A atualização permanente na sua área de atuação é um requisito, com a aplicação de novos conhecimentos no trabalho, compartilhando aprendizagens com colegas e sempre buscando novos conhecimentos e soluções.

Mondadori ressalta quando o estudante finaliza o curso de Medicina Veterinária, muitas informações que ele recebeu no decorrer de sua formação já não estão mais atualizadas. “Na atualidade em que as informações ficam “na nuvem”, o bom profissional deve saber onde buscá-las e torná-las úteis para resolver as situações. É preciso saber transformar informação em conhecimento”, finaliza.

Banners sobre as competências

As competências não são isoladas e estão interconectadas. A cada competência incorporada na prática do profissional, outras são impactadas e vice-versa. A liderança, por exemplo, é sustentada pelas competências de comunicação e de tomada de decisões. Um bom líder também precisa ter visão do que deseja alcançar, tendo uma visão sistêmica bem desenvolvida, o que está presente na competência Atenção à Saúde.

As competências humanísticas são, portanto, complementares ao desenvolvimento da prática profissional cada vez mais especializada do médico veterinário.

Pensando nos estudantes, o CFMV criou materiais publicitários que destacam as habilidades e atitudes necessárias para cada competência humanística: Liderança, Atenção à Saúde, Comunicação, Tomada de Decisão, Administração e Gerenciamento e Educação Permanente.

Os estudantes e coordenadores de curso podem usar o material de forma virtual ou impressa em suas instituições. Clique aqui para baixar.

Fonte CFMV (matéria acessada em 17/05/17)