O câncer de próstata é um dos tipos mais comuns dessa doença no mundo – e é o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total. Já o câncer de mama é a segunda neoplasia mais frequente, sendo a mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. Pensando nisso, o professor Antônio Gilberto Bertechini vem desenvolvendo tecnologias que podem contribuir na redução da incidência dessas doenças por meio dos alimentos que consumimos.

De acordo com o professor, a incidência de certas doenças, como o câncer de próstata, mamas e colorretal, muitas vezes está relacionada ao baixo nível de selênio presente nos alimentos consumidos, resultando em baixa selenemia nos humanos. Nesse sentido, as pesquisas têm considerado o selênio essencial para a manutenção da saúde. Esse microelemento faz parte de uma série de reações químicas e possui propriedades biológicas e metabólicas importantes.

No ser humano, os radicais livres estão envolvidos com o aparecimento de doenças cardiovasculares, algumas formas de câncer, como de mamas e próstata, envelhecimento precoce, entre outras. Tendo em vista que a medicina brasileira tem se pautado basicamente no diagnóstico e tratamento dos diversos tipos de câncer, sem avanços nas pesquisas de base do problema, a prevenção mostra-se a forma mais eficiente de reduzir a ocorrência da doença.

Dessa forma, o professor Bertechini desenvolveu uma técnica que consiste em aumentar a presença de selênio metionina nos alimentos (carne de frangos e ovos, a princípio), para que o organismo tenha atendida a necessidade diária desse elemento. Para isso, o pesquisador estudou como obter levedura selenizada, que foi introduzida na alimentação dos animais, aumentando o nível de selênio na carne e ovos. Essa forma de selênio, orgânica, é mais adequada para a suplementação dietética, e mais eficiente para promover o aumento do nível de selênio nos tecidos do organismo.

A partir do consumo desses alimentos, ricos em selênio metionina, haverá contribuição para a manutenção de níveis séricos importantes para evitar as incidências de cânceres de próstata e mamas na população.

A tecnologia já está sendo procurada por grandes indústrias alimentícias. Segundo Bertechini, “tivemos uma reunião com a maior produtora de carnes em nível mundial e existe a possibilidade da inclusão do selênio metionina em todo portifólio de produtos que são comercializados no Brasil e nos países importadores das carnes”. Existe um potencial bastante significativo para a utilização em larga escala de fontes de selênio orgânico para atendimento das necessidades de enriquecimento dos produtos.

Antônio Bertechini é professor do Departamento de Zootecnia da UFLA (DZO) e pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

 ASCOM UFLA