Integrantes da Comissão Nacional de Meio Ambiente do CFMV e das comissões de meio ambiente dos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária (CRMVs) participam do II Fórum das Comissões Nacional e Regionais de Meio Ambiente do Sistema CFMV/CRMVs.

O evento está sendo realizado em Brasília (DF) entre os dias 24 e 26 de outubro e debate questões sobre como fortalecer o papel dos médicos veterinários e zootecnistas na área ambiental e a realidade nos estados brasileiros.


 Maria Izabel Medeiros – presidente da CNMA/CFMV

Após um breve histórico sobre a Comissão Nacional de Meio Ambiente do CFMV (CNMA), a presidente da Comissão, Maria Izabel Medeiros, iniciou a primeira palestra da manhã. Ela abordou a inserção do médico veterinário e zootecnista na temática ambiental.

“As mudanças climáticas já estão ocorrendo, há catástrofes ambientais em vários lugares no mundo”. Ela explicou que além de migrações humanas, com todas as mudanças e queimadas, o planeta enfrenta as migrações animais. “Várias doenças têm aparecido. O desafio da médico veterinário é saber como lidar com essas situações e com novas enfermidades”, relata.

Medeiros defende que os profissionais devem atuar como mitigadores dos impactos ambientais, principalmente na educação e preservação; começando com inclusão de mais matérias da área ambiental nas matrizes curriculares das instituições de ensino superior.

Em sua exposição, ela também alertou sobre a questão dos resíduos de hospitais e clínicas veterinárias e a produção animal sustentável e a importância da atuação dos profissionais na questão.

Ao final de sua apresentação, a presidente da CNMA/CFMV destacou a importância da segurança alimentar. “Não há problema mundial em relação ao volume de alimentos. O que acontece de errado não é a quantidade, mas sim a distribuição. Muitos alimentos são descartados. O consumidor está cada vez mais exigente. Ele quer conveniência e praticidade em um produto seguro, ético, sustentável e de qualidade”.

Sem investimento na área ambiental, se perde economicamente e eticamente, explica Medeiros. Para ela, há necessidade participação dos profissionais em políticas públicas, em reuniões municipais, câmaras técnicas e conselhos municipais.

“O CFMV tem a preocupação que seus profissionais estejam bem informados sobre o seu papel na mitigação dos impactos ambientais e como contribuir com os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU”, finaliza a presidente.


Fabiano Pessoa (ao microfone), com participantes do Fórum

A segunda palestra do dia foi sobre o Projeto Liberdade e Saúde do Piauí, coordenado por médicos veterinários do estado, um deles é Fabiano Pessoa, analista ambiental do Ibama, presidente da Comissão Regional do Meio Ambiente do CRMV-PI e integrante da CNMA do CFMV.

Fabiano trabalha em um dos Centros de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Ibama – unidades responsáveis pelo manejo dos animais silvestres que são recebidos de ação fiscalizatória, resgate ou entrega voluntária de particulares – no Piauí. Na sua apresentação, ele mostrou casos graves de apreensão de animais no estado que seriam traficados, e como os profissionais enfrentam o problema na região. “Os anos de experiência nos Cetas possibilitaram a nós, médicos veterinários, o desenvolvimento o projeto Liberdade e Saúde”.

Com o uso de materiais lúdicos como gibis, vídeos e jogos e cursos de formação com multiplicadores, o projeto tem como objetivo sensibilizar o perigo do tráfico de animais, “O problema é uma questão cultural no Brasil. As pessoas desconhecem os riscos. Há mais de 150 doenças que podem ser transmitidas do animal para o homem, como a raiva, a salmonelose e a tuberculose”. Os materiais de divulgação do projeto explicam que animais livres significam pessoas saudáveis. ”Vimos a necessidade de levar esta informação à sociedade. Este é o papel do médico veterinário. Vamos sensibilizar a nova geração”.

À tarde, os integrantes das Comissões Regionais dos estados apresentaram as atividades realizadas pelas comissões no último ano, além de discutir os acontecimentos na área ambiental no país e no mundo que têm relação com a atuação do médico veterinário e zootecnista.


  Paulo Henrique de Moraes, representante do CRMV-RJ


Débora Ferreira e Marcelo Santos, representantes do CRMV-PB e CRMV-ES, respectivamente


 Paulo Moraes (CRMV-RJ), Marco Crescimanno (CRMV-SP) e Elba Chaves (CRMV-MA)

Final evento

Um plano de ação conjunto será discutido e definido, com estratégias para atuação dos profissionais levando em conta a diversidade regional, as prioridades do governo, os planos de desenvolvimento nacional e a legislação vigente.  A construção do Plano de Ação levará em conta os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas, que contempla 17 objetivos e 169 metas sobre temáticas diversificadas, como saúde, educação, mudanças climáticas e padrões sustentáveis de consumo.

Segundo a CNMA, também serão revistas as metas definidas no primeiro fórum para garantir maior valorização do profissional na área ambiental.

“Esperamos estimular a atuação dos médicos veterinários e zootecnistas na área ambiental e conscientizá-los sobre seu importante papel como mitigadores dos impactos ambientais em prol da sustentabilidade na produção animal, em clínicas veterinárias, assim como em todas as áreas de atuação”, finaliza Medeiros.

Atualmente, existem 16 comissões regionais de meio ambiente nos CRMVs.

Fonte CFMV (acesso em 26/10/17)