Ago/2016

Entidades ligadas à saúde pública decidiram se unir na prevenção à leishmaniose: em iniciativa do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Paraná (CRMV-PR), a cidade de Foz do Iguaçu receberá no dia 23 de setembro o evento “Leishmaniose: impacto na saúde pública” com o objetivo de alertar os profissionais da área da saúde para a doença e, assim, auxiliar na prevenção e no diagnóstico em cães e humanos. O evento conta com apoio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), do Conselho de Medicina do Paraná (CRM-PR), do Conselho Regional de Enfermagem do Paraná (Coren-PR), da Prefeitura Municipal e do Centro Universitário Dinâmico das Cataratas (UDC).

“A leishmaniose é uma doença de grande impacto na saúde pública pelo alto risco de transmissão aos humanos. Além disso, a falta de tratamento para cães dificulta seu controle. Por isso é essencial que os profissionais de todas as áreas da saúde estejam atentos à doença para que os diagnósticos sejam feitos precocemente e para que a população seja orientada de maneira correta”, acredita o presidente do CRMV-PR, Eliel de Freitas.

O panorama da doença no Paraná e na região de Foz do Iguaçu, além de informações básicas sobre a leishmaniose em animais e informações básicas sobre a leishmaniose em humanos serão temas abordados em palestras durante o evento. Também serão discutidos os aspectos jurídicos da doença, como explica o advogado do CRMV-PR, João Sampaio: “O tratamento não autorizado pelo Ministério da Saúde da leishmaniose em cães envolve diversos aspectos jurídicos. É o caso das decisões judiciais, que podem autorizar um determinado profissional a tratar um determinado animal, mas que não alteram a proibição do tratamento no Brasil. Então é importante orientar o profissional nesse sentido, sobre os riscos que envolvem suas decisões”.

Na mesma tarde será realizado o lançamento oficial do Manual Técnico de Leishmanioses Caninas, desenvolvido pelo CRMV-PR com a coordenação da professora doutora Vanete Thomaz Soccol. O manual foi lançado em formato digital em novembro de 2015 e agora será distribuído em formato impresso.

Com informações sobre sinais clínicos, transmissão e procedimentos necessários para o diagnóstico da doença em cães, o material é essencial não somente para médicos veterinários, mas para todos aqueles que atuam na saúde pública. “Uma vez que haja suspeita de leishmaniose visceral no homem, é importante que o médico saiba quais são os sinais e sintomas que o cão apresenta para que ele possa questionar o paciente com relação às características do pelo, perda de peso. É necessário que seja feita uma investigação para que possamos controlar a leishmaniose, que é uma doença negligenciada e com poucas opções de tratamento”, avalia o médico infectologista Felipe Tuon.

Por isso o evento é destinado às mais diversas categorias profissionais, como médicos veterinários, médicos, enfermeiros, acadêmicos, autoridades sanitárias, promotores públicos, entre outros. A inscrição é gratuita e deve ser realizada através do site do CRMV-PR, no seguinte link: http://goo.gl/A1olGR

A escolha de Foz do Iguaçu

O município de Foz do Iguaçu foi escolhido para sediar o evento pelo fato de já desenvolver um trabalho de prevenção da doença e por ter diagnósticos confirmados de leishmaniose visceral em humanos.

De acordo com a médica veterinária do CCZ de Foz, Luciana Chiyo, o município registrou o primeiro caso de leishmaniose visceral em cães em 2013; desde então o trabalho de prevenção tem sido intenso.

“Realizamos uma pesquisa com instituições parceiras e identificamos a presença do mosquito-palha e de cães contaminados em todas as regiões da cidade. O estudo mostrou também que 25% da população de cães do município está contaminada, uma parcela grande”, conta.

Com tantos cães infectados, demorou apenas dois anos para o primeiro registro da doença em humanos. Em julho de 2015 um policial militar contraiu a doença, foi tratado e hoje passa bem. Mas, nesse período de um ano, outras quatro pessoas tiveram diagnóstico positivo para a doença: duas obtiveram sucesso no tratamento e outras duas foram a óbito – um dos óbitos foi confirmado em função da leishmaniose visceral e o outro ainda passa por investigação, já que o paciente sofria de outras enfermidades.

“É importante que os profissionais saibam diagnosticar corretamente e falar sobre prevenção. Infelizmente a leishmaniose não é uma doença fácil de erradicar, porque o mosquito se reproduz em matéria orgânica. Foz do Iguaçu possui muita área verde, rios, o que dificulta o controle do vetor. Então é importante orientar no sentido de não acumular matéria orgânica e de manter uma posse responsável dos cães”, alerta Chiyo.

Leishmaniose: impacto na saúde pública
Data:
23 de setembro de 2016
Local: Anfiteatro da UDC Anglo
Av. Paraná, 5661 – Vila A – Foz do Iguaçu – PR
Inscrições: http://goo.gl/A1olGR

PROGRAMAÇÃO

  • 13h30 às14h Abertura
  • 14h às14h15 Lançamento do Manual Técnico “Leishmanioses Caninas”
  • 14h15 às 15h Informações básicas sobre a Leishmaniose em animais (Vanete Thomaz Soccol – Médica Veterinária)
  • 15h às 15h45 Informações básicas sobre a Leishmaniose em humanos – CRM-PR (Flávia Tremch – Médica)
  • 15h45 às 16h Intervalo/coffee break
  • 16h às 16h45 Aspectos jurídicos da doença – CRMV-PR (João Francisco Monteiro Sampaio – Advogado)
  • 16h45 às 17h15 Panorama da doença no Paraná – SESA (Eliane Maria Pozzolo – Médica Veterinária)
  • 17h15 às 17h45 Panorama da doença em Foz do Iguaçu – Prefeitura de Foz (Luciana Chiyo – Médica Veterinária)
  • 17h45 às 18h30 Mesa redonda com os participantes – Coordenação: Vanete Thomaz Soccol

Fonte CRMV-PR