Diante do caso de suposta auxiliar de veterinárioque responde pelo perfil “Patty Baby Pet” em uma rede social, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Rio de Janeiro (CRMV-RJ) vem a público informar que já está adotando as devidas providências a fim de coibir o exercício ilegal da Medicina Veterinária e com encaminhamento para o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro para adoção das medidas previstas na legislação.

Ressalta-se que a prática da Medicina Veterinária em todas as modalidades é atribuição privativa do médico-veterinário graduado por instituição superior de ensino oficial e registrada no Ministério da Educação (MEC) e portador de Carteira Profissional emitida pelo Sistema CFMV/CRMVs.

O CRMV-RJ destaca, também, que o atendimento clínico veterinário presencial jamais poderá ser substituído por meios alternativos, como on-line ou videoconferência. Consultas médico-veterinárias só podem ser realizadas em estabelecimentos médico-veterinários, como consultórios, clínicas e hospitais, por médicos-veterinários, conforme a Lei nº 5.517/68 e de acordo com o Código de Ética do Médico Veterinário, Resolução CFMV nº 1138/16.

“Nada substitui o olhar clínico e o tato do médico-veterinário, que é o único profissional habilitado e que detém todo o conhecimento para atender e tratar um animal”, afirma o secretário-geral do CRMV-RJ, Diogo Alves da Conceição, que complementa: “o tutor deve sempre procurar ajuda de um profissional competente e registrado no Conselho. Isso é questão de segurança tanto para o tutor quanto para a saúde do animal”.

CRMV-RJ