09 de junho de 2016

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) presta seu total apoio ao posicionamento do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul (CRMV-RS) que se manifestou publicamente em defesa da nobre profissão de médico veterinário em resposta ao vergonhoso artigo do historiador Marcio Linck, publicado na edição de 6 de junho do Jornal do Vale dos Sinos.  No texto de opinião, o historiador fez acusações absurdas contra os profissionais que atuam na produção animal.

É certo que ele desconhece que, sem a Medicina Veterinária, não teríamos alimentos inócuos e de qualidade na mesa de milhões de brasileiros e das populações de todos os países que importam o produto nacional. Ao contrário do que coloca o historiador, a reflexão ética e moral é um componente essencial do trabalho do médico veterinário.

O profissional que atua na cadeia produtiva de alimentos é indispensável para a garantia do bem-estar animal durante todas as etapas da produção de carne, pescados, ovos, mel, leite e seus derivados. Além de ser o único habilitado a cuidar da sanidade dos animais, também tendo papel fundamental na inspeção e fiscalização desses alimentos antes do consumo pela população.

Ressaltamos que a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) reconhecem a importância do médico veterinário para a Saúde Única, de animais, seres humanos e meio ambiente, como um pilar fundamental para a prevenção, a erradicação e o controle de doenças.

O aprimoramento tecnológico, tão criticado por Linck em seu posicionamento desinformado, é essencial para a criação de animais saudáveis e para o desenvolvimento de insumos pecuários e de produtos veterinários que garantem a integridade de animais e de toda a população.

O CFMV endossa todas as outras manifestações de apoio divulgadas por entidades representativas e por profissionais da área ao CRMV-RS, assim como a todas as pessoas que colaboraram em denunciar a violência moral cometida por Marcio Linck em seu texto que representa o mais alto desrespeito ao trabalho dos mais de 105 mil médicos veterinários que atuam no país sob sólidos preceitos morais e profissionais.

Fonte Assessoria de Comunicação do CFMV