No Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) reforça o seu compromisso em exercer a Medicina Veterinária e a Zootecnia com o menor impacto ambiental possível, promovendo a saúde e o bem-estar único dos animais e da sociedade.

A Comissão Nacional de Meio Ambiente do CFMV tem reforçado, nos últimos anos, o papel do médico veterinário e zootecnista no meio ambiente e estimulado profissionais a se capacitarem e atuarem na área. “Está cada vez mais clara a importância do trabalho multiprofissional em busca da sustentabilidade ambiental, social e econômica”, afirma a presidente da CNMA, Maria Izabel de Medeiros.

A Comissão Nacional de Animais Selvagens do CFMV também lembra que muitas espécies de animais consideradas nocivas pela maioria são na verdade essenciais para o meio ambiente.

As cobras ajudam no controle da cadeia alimentar, pois se alimentam de animais que podem se tornar pragas, como roedores e anfíbios.

Sapos e morcegos se alimentam de mosquitos e podem ajudar, por exemplo, no controle do aedes aegypti, transmissor da dengue e da chikungunya.

Os gambás e macacos são ótimos dispersores de sementes e fazem com que as plantas sejam espalhadas em diferentes regiões.

As aves, quando livres, também polinizam as plantas e disseminam sementes no sol.

Não mate, preserve!

Sobre a data

O dia 5 de junho foi escolhido para comemorar o dia do meio ambiente em 1972, durante a primeira Conferência das Nações Unidas Sobre o Ambiente Humano, em Estocolmo, na Suécia.

O principal objetivo é chamar a atenção de todas as esferas da população para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais.

Fonte CFMV (matéria acessada em 05/06/17)